quinta-feira, 23 de novembro de 2017

O lirismo de amor

            A partir de determinada altura, a guerra começa a esmorecer, outros interesses renascem e no sul desponta um novo ideal amoroso. Uma elite de nobres e clérigos procura nas letras outras distracções que tivessem mais a ver com as suas almas sensíveis e líricas. E no século XI desperta o espírito cortês, cria-se um universo novo de sonho e fantasia, que faz nascer uma literatura popular, que se tornou artística e penetrou nas cortes senhoriais e reais.
            Como a canção do povo era cantada e bailada, os trovadores distinguem-se não só pela arte de trovar, como de "cantar e bailar a la provençalesca". E a poesia, cuja origem radica no desafogo da vida burguesa durante a época das cruzadas, entre a primeira, em 1095, e a segunda, em 1268, entra, assim, nas cortes e é imitada por reis e príncipes, mas nem por isso deixa de perder a sua origem plebeia. E não é só a divulgação deste lirismo por toda a Europa: é o renascer destas canções nas populações românicas.
            O cavaleiro já não combate mais pelo seu Deus nem pelo seu senhor, mas pela sua dama.
            Nasce, então, a arte dos trovadores, a arte do amor cortês, o amor puro que leva à virtude, à perfeição, à razão de existir.


Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...